sonho 10.8.14

… uma ilha, uma rua à beira mar. caminho pela areia. paro em uma casa que vende lanches na varanda. vou mais rápido para chegar antes do pôr do sol. pego uma bicicleta e vou a um parque. há dois caminhos. vou pela esquerda. subo por uma pedra cortada em rampa. desço da bicicleta para poder subir. chego a um longo píer. fico feliz, pois vejo que este é o caminho correto. caminho pelo píer até o fim onde uma bahiana vende acarajé. logo adiante há uma pedra de onde se pode olhar toda a baía…

… caminho pela rua. vou na casa de fernando que está com o salário do parque lage para me pagar.  entro na casa. ele me conta do funcionamento da escola e que eu devo me associar e pagar minha contribuição de associado. várias pessoas chegam para uma reunião. vou embora para que eles possam trabalhar…

sonho 9.8.14

… feira. uma barraca vende as maiores jabuticabas que eu já vi. parecem abacates de tão grandes. marina compra um saco delas. também quero.
peço à feirante, mas as jabuticabas acabaram.
compro abacates …

sonho 8.8.14

… livro de sementes. estamos em um parque, em um grande gramado. vamos realizar a performance de um artista gringo. é um grupo só de homens, não reconheço ninguém no grupo, apenas jairo. estamos vestidos com uma roupa de toda de lã sintética branca felpuda. a performance consistia em ser jogado, um após o outro, para cima sobre uma arquibancada de madeira. me parece um tanto arriscado. me afasto do grupo  e paro junto de uma barraquinha de comida com luz amarelada. percebo que a lã sintética desfia e está poluindo o parque. a maioria já pulou. um último homem/ovelha não quer ser jogado, apenas corre e pula sobre os demais. não gosto da situação. ameaço tirara a roupa e ficar nu em sinal de protesto, mas desisto ao ver que assiste a cena uma fila de crianças de escola. os outros performers gritam para mim. me incentivam a pular. me afasto e me retiro constrangido …

sonho 7.8.14

… havia muita gente. era um almoço. era na ilha do fundão. nem self-service nem bandejão, as pessoas sentavam em torno de uma grande mesa com os pratos no meio. para se servir era preciso percorrer toda a mesa e pedir licença a que estava sentado. quase tudo era churrasco. encontro um prato com cereal estranho que parece coco ralado. não sei voltar. peço informação. me mostram um mapa com muitas linhas de metrô/ônibus. há vários caminhos possíveis a seguir. tenho de pegar uma linha e depois a outra, ou ir até o fim de uma e pegar o retorno. passo por viadutos apinhados de carros e pessoas …

sonho 6.8.14

… tiro molde de um pequeno crânio. ivan me ajuda pintando o crânio com tinta vermelha. bernardo organiza a mostra em uma pequena sala. monto uma escultura suspensa do teto por muitos fios caoticamente ordenados. quando volto à sala, a escultura foi remontada e todos os fios estão convergindo para dois pontos e os fios estão paralelos. é possível transportá-la segurando em apenas dois pontos. digo que a escultura tem de ser colocada em algum lugar em que não precise ser desmontada cada vez que se abre a porta, então ela não precisará ser transportada. fora da sala passam vídeos, mas ninguém para para ver …

sonho ??.05.14

… pego meu coração e na mão e corto ao meio. costuro com uma agulha sem linha. espero que cole. estou no carro esperando alguém próximo ao condomínio equitativa. subo com malas. um homem entra no carro e tira da vaga. fico com raiva. estou dentro do carro e não quero sair até acabar com o coração …

… inauguram um colégio de aplicação em santa teresa em um prédio logo abaixo de onde moro. entro no hall que é redondo. está cheio de estudantes. no caixa do café,  demoro a reconhecer a bianca ramoneda. ela se aproxima e nos abraçamos. “que saudade” vamos conversar lá fora. ela segura peças da máquina de café. mostro que moro logo ali apontando. descemos por um elevador. encontro outro amigo que não sei o nome e me conta que o miguel bastos está voltando depois de morar em são paulo, pernambuco e miami. pergunto pelo ernesto, mas ele perdeu o contato apenas diz que “faz política ambiental”…

sonho 05.9.14

… michele faz propaganda de sua performance no video-wall. é uma instituição de arte, um centro cultural grande. o vídeo tem uma edição psicodélica e fragmentada. na performance ela irá morar em um cubo dentro do museu. o público pode entrar, mas ela não pode sair. vou até lá. quando entro ela está reclamando que nesta “casa” onde mora não pode ensaiar sua performance com lama. levo um saco de lama para ela. o cubo é feito de arestas de madeiras pintadas de preto com dois andares e um teto. subimos até o teto, eu tiro a roupa e me pinto com o barro. ela tem vergonha de tirar a roupa e se pinta em baixo de um lençol. não vai fazer diferença, digo, se a performance é mesmo sem roupa e lá em baixa junto ao público. saio pela janela por um beiral largo …

… vou até uma casa onde vai ocorrer uma feira de troca. na entrada há uma mesa com três informativos um de trocas, um de compra e outro de vendas. levo um cartão com dobraduras para doar… falta luz no largo do machado. o cortejo com todos da feira segue saindo da casa no escuro por uma pista de skate onde escorregamos e dançamos …

sonho 01.01.14

… era um filme. camila pitanga é uma índia que é oprimida por sua tribo e obrigada a fazer trabalhos que não quer. a tribo é construída na beira do mar em casa de madeira sobre palafitas. ela consegue fugir acobertada por duas índias gordas que seduzem o feiticeiro de deveria vigiá-la. um viajante antropólogo caminha pelas palafitas. ele para em uma fila onde outros íncios esperam. entram na cabana onde se define a função de cada um na tribo. o forasteiro será tradutor. a maioria dos índios é encaminhada para a agricultura. todas as funções são ditadas pelo chefe que coloca cada um representado com uma peça em uma maquete da tribo…

sonho 25.05.13

…estou em um sobrado de 3 andares, um centro cultural. subo escadas por dentro de um escritório para chegar ao meu quarto. desço pelo outro lado por dentro de uma galeria. bianca ramoneda apresenta um trabalho junto com matheus solano. é um cd de músicas ou uma novela? me desculpo por chegar tarde. ela diz que não quiz fazer o cd com o próprio nome, porque não quer dar tudo que o mercado pede. ela não quer que cada ano seja um troféu, entnao está lancando o cd às ocultas com um pseudónimo. tem um jantar para muita gente no espaço. poelenta com tomate, amarelo e vermelho. como, me perco na multidão. anunciam a apresentcão de um grupo de criancas na galeria. tento subir pelas escadas de volta ao meu quarto. as baixaram a escada e volto para o primeiro andar. subo novamente pelos escritórios ao terceiro andar. meu quarto era no segundo? não encontro onde era…

sonho 28.04.11

… pego uma foto. é um trabalho do paulo nazareth chamado sereia. uma jovem mulher de cabelos longos está de pé como que flutuando sobre a água. atrás dela uma onda antes da arrebentação. não se vê os pés, as pernas juntas uma escondendo a outra com o peso em uma perna só em contraposto. junto havia uma carta desta menina que eu lia. ela era apaixonada pelo paulo e ele não dá bola para ela. estou em uma residência artística em uma favela. acho que é são conrado. levanto a foto encaixando no horizonte. alguma coisa fazia que o encaixe fosse perfeito e se fundisse no horizonte…